segunda-feira, 28 de março de 2011

Patrulha do potenciômetro


Todo componente eletrônico tem uma margem de erro de 5% ou 10% pra mais ou menos. Isso está dentro do tolerável em se tratando de potenciômetro pra guitarra e potenciômetro é assunto que rende polêmica.       

Precisei trocar o potenciômetro de volume da minha Fender (250K tipo A). Por mera curiosidade eu resolvi pegar um multímetro pra conferir a resistência de todos os pots "genéricos xing-ling" e tb os da CTS (os mesmos usados pela Fender e Gibson) que eu tenho aqui na minha gaveta. 

Resultado : dentre os xing-ling (eram uns 20) o único que estava fora da tolerância era um com 200K. Todos os outros tinham entre 230 e 250K.

Tenho aqui uns 15 pots CTS de 250K. Tinha um com 130K, um com 310K e os outros variavam bastante entre 210 e 260K. Lembrando que os CTS possuem muito mais resistência a várias soldas, mas além de caríssimos, são muito duros de girar.

Achei isso absurdo. Chega um cliente aqui pra trocar captadores e às vezes acaba trocando os pots. Suponha que coloque sem querer uma porcaria dessas de 130K na guitarra e isso faz uma diferença muito grande num instrumento. Se eu colocar um pot de 130K no volume de uma strato ele vai matar um bocado do som. O cliente sai por aí dizendo que os captadores não prestam ou que meu trabalho foi ruim.

Agora vai virar procedimento padrão por aqui: todos os pots serão conferidos e os que tenham um desvio muito grande vão ser separados e usados somente em casos muito específicos. Às vezes uma stratocaster pode ser muito aguda e usar aquele pot de 200k no tone pode ser uma solução.

15 comentários:

Richel disse...

Os pots xing-ling têm ainda outro problema: ruido - aquele som horrendo quando baixamos ou levantamos o volume. Ou eles já vem com isso, eu acabam tendo isso cedo.

Rafael Gomes disse...

Richel, os pots CTs têm realmente uma durabilidade maior. E isso inclui muito mais resistência ao fazer e desfazer as soldas. Mas não acho q isso justifica o preço tão alto. E o fato de ele ser duro de girar me incomoda muitíssimo.

Richard Wagner disse...

Muito interessante esse Post.

Aliás, todo o conteúdo do blog é muito interessante pois, sempre aborda assuntos que servem para todos os tipos de públicos (músicos iniciantes ou experientes).

Parabéns !!!

PS.: Meu post preferido segue sendo o do "envelhecimento artificial" da Fender.

Iuri Gaier disse...

Vamos deixar algumas informaçoes bem claras: 1º Obrigatoriamente nao quer dizer que o potenciometro que tem 130K mate o som da stratocaster! cientificamente falando se esse potenciometro for NOVO! ele so vai apresentar a variaçao normal de todo potenciometro! que varia de de 10 x ate chegar os 130 K ohm ou seja enquanto voce que tinha pots de 500 k der um grande giro para a brir o volume , já o potenciometro de 130k com uma variaçao menor vai abrir absurdamente rapido o volume da guitarra! 2º Maioria dos pots sao fabricados na china sim! mao de obra barata e material barato, "pólo de fabricaçao de componentes eletronicos"...logicamente com o uso frequente do mesmo vai ficar avariado mais rapido! justamente pela má qualidade do material que foi confeccionado!3º Entao juntamos a má qualidade do material confecionado mais a resistencia baixa e com o nosso gira-pra-la-e-pra-cá, no final das contas sua strato vai sofrer uma coisa chamada na eletronica de ponto de referencia! ou seja a saida de ganho que era pra ser de 95% de aproveitamento acaba saindo 65% quando a saida encontra o pot com defeito e perde a referincia de ganho...espero ter ajudado!sou leitor assiduo de blog que comentam sobre guitarras e tava lendo seu blog rafael... a tempos trabalhava com eletronica voltada a musica mas no momento estou virado somente para o meu narcizismo tecnologico rs... e realmente fazendo meus cases,amplis e customizaçoes em guitarras particulares e nao aberto ao publico! rs... esta de parabens pelo blog! atualmente sou coordenador da manutençao eletronica de uma empresa eolica , e sempre que precisar de uma opiniao eletroeletronica estou a disposiçao! abraços!

Rafael Gomes disse...

Iuri, vc está errado. Quer conferir? Coloca um pot de 10K na sua guitarra e depois me fala como ficou o som.

_______________ disse...

Rafael, primeiramente parabéns pelo blog.

E sobre os pot, isso aconteceu na minha strat..., troquei o pot "volume" por outro pot e o som alterou um pouco. Mas tenho uma dúvida: se por acaso meus pot de "tone" marcarem 200k, e eu trocá-los por novos pot de 250k perfeitos, isso influenciará no som da guitarra? ou somente o de volume influencia?

Rafael Gomes disse...

Quanto maior a resistência do pot de tone, mais agudo vc vai ter. As diferenças podem ser sutis, mas existem.

Sávio Gonçalves disse...

Até entendo o raciocínio do colega Iuri Gaier, já que os 2 pots (130 e 500) na posição aberta apresentam resistência ZERO ao sinal e TEORICAMENTE, o som deveria passar na mesma intensidade tanto em um quanto no outro pot. Mas na prática, sabemos todos que o pot influencia no sinal, mesmo quando a resistência aplicada é zero. Faça como o Rafael sugeriu: troque um pelo outro na sua guitarra e faça o teste.

Pedro Ditz disse...

Vou comprar pots para colocar em meu jazz bass, e surgiu uma dúvida: Deverá ser B (linear) para o volume e A (logarítmico) para o tone??

Evandro Alves disse...

Pedro, usualmente o log vai no volume e o linear no tone pelo seguinte motivo
Log - razão de "abertura" por assim dizer, é maior. Ou seja, Partindo do pot totalmente fechado até metade, você praticamente já abriu toda a resistencia e da metade para frente a diferença perceptível é menor.
Linear - A abertura é proporcional ao giro, ou seja, na metade do potenciometro, você terá aberto metade da resistencia, a 3/4 terá aberto 3/4 da resistencia.

Então, fica totalmente a seu gosto.
Se quiser um controle maior de volume e de tone, use linear nos dois. Se quiser um volume que "abra" mais fácil, use log.

Metallium disse...

Ola pessoal!
Esta errado............
Os pots CTS devem ser identificados pelo numero de serie. Neles nao tem Letra A ou B dos potenciometros asiaticos ou de outra origem. Alias, pots com a letra B e que sao lineares, indicados para volume. Os pots log, com a letra A, sao usado em tones.
Simples: no volume voce precisa de variaçao gradual de atuaçao...de 1 pra 2, de 2 pra 3, de 4 pra 5 e etc...pra tirar drive de um amp valvulado, por exemplo.
No log, voce precisa de uma atuaçao mais abrupta, abre e fecha o tone, com menos variaçao. Normalmente nem ha tanta diferença no tone ate o numero 5 e dai em diante, ele fecha mais rapidamente. O termo log e pq ele funciona em razao logaritimica, aquele mesmo que aprendemos na escola.
Portanto, alem da identificaçao errada dos asiaticos, ja que A e log e B e linear, o CTS que vc usou provavelemente e log, por isso voce viu variaçao de leitura no multimetro. So pelo numero de serie dele da pra saber, se nao estava embalado em sua embalagem original....
Particularmente, eu uso linear em todos os meus instrumentos, pois gosto da variaçao gradual em tudo.
Sobre ser duro, outro erro. Basta somente, apos a instalaçao, usar spray limpa contato e girar do inicio ao fim alguma vezes e pronto, aplicar de novo, girar e ficara leve como uma pluma. Pronto!
E sobre ser caro: simples tambem. O CTS tem especificaçao militar americana, ou seja, e produto feito pra anos a fio de uso, para condiçoes climaticas e de operaçoes extremas, alta durabilidade. Tem vida util estimada em 15 anos! Sao usados, por exemplo, em caças F117 Hornet.
Por isso e, pelo detalhe a seguir, e caro. Esse detalhe e mais importante: O CTS, nao e como chamamos la fora de Tone Sucker. Chupadores de timbre, em traduçao livre...simplesmente pq eles tem a pista de contato, onde e induzido o sinal, banhado a ouro. E so girar e olhar contra luz e vera o ponto dourado de contato girando dentro dele...o ouro, e o melhor condutor que existe! Nao a perda de sinal quando o sinal passa por ele, portanto. Coisa que acontece nos potenciometros chineses, brasileiros e etc, baratos. Em media, a perda de timbre em potenciometro baratos e em torno de 25% em relaçao ao timbre do captador em um potenciometro de classe.
Entendam que potenciometros sao muito mais do um que "abre e fecha" de som, sao indutores de sinal.
Sou luthier ha 25 anos, trabalhei 7 anos na Europa pra uma empresa que tinha, dentre outros, clientes como Eric Clapton, Jeff Beck, KK Downing e etc.
Abraço a todos!

Unknown disse...

Galera boa tarde tenho uma Fender América Especial 2007 e acho o timbre dela muito fechado sem brilho será que pode ser o potenciômetro de volume com defeito ?

Pierri Mariano disse...

Boa tarde galera.Troquei o pot de volume da minha fender American especial HSS de 250k por um de 500k.Comprei um pot simples numa loja aqui em Florianópolis.Sei que os caps da braço e meio(singles)funcionam bem com 250k,mas sintia que o hambuker(ponte)estava sem brilho.Copiei um esquema na internet onde liga-se dois resistores de 470k em série para regularizar o funcionamento dos singles.Achei o resultado muito bom a respeito do hambuker dar mais brilho.Mas tive um problema ao tentar fechar o volume,pois não fechou totalmente.Alguem pode me ajudar com esse problema?

Pierri Mariano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pierri Mariano disse...

Acima mencione resistores em "série",mas na verdade são em paralelo ligados junto a chave(5 posições)onde estão ligados os singles,devido a mudança do pot de 250k por um de 500 como mencione.
Desde já obrigado,estou aprendendo bastante com todos vcs,abraço!