sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Gibson Les Paul Custom

Essa guitarra é impressionante. A Les Paul Custom é um instrumento ao qual ninguém fica indiferente. Ela não tem o tampo de maple. É tudo mogno e com a escala de ébano. Eu acho um charme o friso de várias camadas no corpo e headstock, além desse losango no centro do head. Não sou muito fã de hardware dourado, mas não há como negar que nessa guitarra o hardware dessa cor ajuda a deixá-la com um visual ainda mais chique. É uma guitarra pesadíssima, então dificilmente você vai querer fazer um show de 2 horas com ela (a não ser que você seja um monstro puxador de ferro como o Zakk Wylde, o que não é meu caso).

O Bergson Alves enviou a guitarra de Juazeiro do Norte pra dar um trato nos trastes (nivelamento, arredondamento e polimento), trocar cordas e fazer regulagem de rotina. As cordas estavam muito altas, as oitavas estavam muito desreguladas e os trastes estavam muito judiados. Usei Elixir 0.10 e mantive uma ação de cordas média-baixa. O resultado pode ser visto aí nas fotos. O que não pode ser visto aqui adequadamente é verdadeira cor da guitarra (que segundo o Bergson é oxblood). Ela é meio cor de café, só que muito escuro e é um pouco difícil mostrar essa cor em fotos feitas em ambientes com luz artificial.









7 comentários:

Cleisom disse...

velho vc só trabalha com instrumentos de qualidade, parabéns...

Thiago Aragão disse...

Rafael... Sempre tive uma curiosidade sobre trastes e o friso lateral da escala. Queria saber com você se é possivel uma troca de trastes, mas deixando esse acabamento do friso ( como se o friso tivesse a forma do traste )? Creio eu, que se possivel, teria que ser trastes da mesma altura e largura dos antigos. Valeu!!!

Rafael Gomes disse...

Thiago, não é possível fazer isso. Até pq a Gibson só faz isso pra poupar trabalho e material. Se o traste passar por cima do friso (a parte de cima e não o "pezinho" do traste), vc vai ter um pouco mais de traste pra fazer seu vibrato e o resultado estético é muito mais bacana. Eu sempre faço desse jeito. Eu acho muito horríveis esses "quebra-molas" de plástico na lateral. Me dá a idéia de coisa amadora demais, muito tosco. A questão é q colocar os trastes como eu coloco dá muito mais trabalho e é mais difícil. Por isso q a Gibson não faz. Vide os outros posts com troca de trastes em instrumentos com friso.

Thiago Aragão disse...

Então... vi os outros posts, e sao simplesmentes sensacionais!!! Eu perguntei isso por que eu curto a estetica ke fika desses "quebra-molas ". Nunca tinha pensado sobre o lance dos vibratos. Valeu pelas informações!!!

Anônimo disse...

G5

Rafael,uma sugestao do que muitos gostariam de ver e saber é sobre veneer e sua utilização.
valeu

Alex Gressler disse...

Querido boa noite.
Possuo uma les2paul,e a mesma quebrou uma parte do friso lateral, consequentemente se foi um pedaço que possuía fret biding (cobertura de traste) .
Sabe se existe a possibilidade de trocar est friso lateral, e colocar outro com esta mesma cobertura de traste?

Alex Gressler disse...

Querido boa noite.
Possuo uma les2paul,e a mesma quebrou uma parte do friso lateral, consequentemente se foi um pedaço que possuía fret biding (cobertura de traste) .
Sabe se existe a possibilidade de trocar est friso lateral, e colocar outro com esta mesma cobertura de traste?