sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Kramer Striker


Essa guitarra veio pra regulagem de rotina e troca de cordas. O pessoal da Kramer fez um bom trabalho de marketing e a guitarra tem atrativos: um acabamento razoável, captadores com um milhão de bobinas, push-pull (que cancela duas das 4 bobinas dos captadores das pontas) e o D-Tuna (que abaixa a finação da sexta corda).

O D-Tuna é um brinquedo legal. O problema é que pra poder usar realmente o recurso de dropar o mizão você precisa que a sua ponte esteja fixa ou pelo menos dive-only (que é quando a alavanca apenas desce). Já percebeu que a Floyd Rose das Wolfgang não tem o back box? Pois é. Essa Kramer não tem nenhum recurso de travamento da ponte, portanto quando vc desce o mizão, as outras 5 cinco cordas desafinam. Isso inviabiliza o uso do dispositivo. 

Você pode ver como o D-Tuna tem que ser instalado e regulado aqui

O dono da guitarra preferiu usar a ação total da Floyd, poratanto o D-Tuna aqui não vai ter uso algum. 

Um comentário:

rdgmoneda disse...

Eu tenho uma Kramer Baretta 404, com captadores Quad Rail. Acho eles bem sujos, e soam abelhudos (se eh que me entende, rs). Gosto da guitarra, embora algo no som me incomode, nao eh o timbre que eu gostaria de ter. A questao... sera que se eu trocar os Quad Rail por Dimarzio Liquifire no braço e Dimarzio Crunch Lab na ponte, vou ter "outra guitarra"? Ou vou mudar pouca coisa em termos de som e timbre? Obrigado, e parabens pela materia!